Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




O Caminho de Verónica

por P. Barbosa, em 27.08.09

Por vezes as aparências iludem. Por vezes o cordeiro devora o lobo. Por vezes não sabemos o que temos dentro de nós. Por vezes somos apanhados de surpresa com o que fazemos. Por vezes, não há nada a fazer.

Verónica tinha acabado de entrar nos quarenta. Dona de uma estranha beleza, capaz de atrair e repelir os homens de si. Sempre viveu só. Assim; contra a sua necessidade mais fundamental.

Era uma anónima secretária num banal edifício de escritórios. Ocupava um rectângulo no gigantesco mosaico de vidros que compunha a fachada. E nada mais.

«E nada mais», pensou ela no dia desse fatídico aniversário, em frente do quadrado de vidro no qual vivia. A nada mais tinha direito; à sua mãe, restos de uma família que nunca verdadeiramente teve. Vivia numa roulotte do outro lado do país, na Califórnia, emborcando garrafas de Whisky à velocidade de um sonho.Há já cinco anos que não trocava uma palavra com ela.

A nada mais tinha direito; aos seus colegas de trabalho, que nos dez anos que ali estava nunca tinham chegado a sê-los; colegas, quero dizer. Nem sequer sabiam que era dia do seu aniversário. E era tudo, não havia mais nada para contar.

«E nada mais», voltou a dizer, agora em voz baixa, com os braços cruzados, resignada.

Nessa noite, depois de ter vagueado pelas ruas de Nova York durante mais de duas horas, sentiu a solidão que tinha e toda aquela que ainda estava para vir. Secretamente, deixou cair a esperança do amanhã. Secretamente, convenceu-se que alguma coisa que tinha de mudar. 

Como se verificou tão grande mudança nunca me foi possível entender ou explicar. Apenas sei que sobre as três semanas seguintes ao seu aniversário se estendeu um manto negro que nunca me foi possível destapar. Por mais que procure, pergunte ou investigue nunca consegui encontrar o mais leve indício do que verdadeiramente aconteceu. Apenas posso especular.

E o véu de encobrimento só foi levantado sobre um beco em Harlem, três semanas depois, numa noite de lua nova, e com o chão manchado de sangue. Lá em baixo jazia uma criança que não tinha mais do que catorze anos.

Em pé, Verónica, com uma faca de talho na mão ensanguentada. Mas não era o sangue que impressionava, nem tão pouco a expressão lívida que a rapariga de cabelos loiros tinha agora na face. Ao longe, a pobre coitada parecia repousar numa tranquilidade angélica, uma paz que contrastava com o que mais ao perto se podia encontrar.  A barriga tinha sido aberta e as tripas puxadas cá para fora, num monte. Em cima desse monte de vísceras, um pedaço do seu pequeno útero, arrancado a golpes de principiante. Os seios tinham sido retalhados e jogados para o lado, as pernas decepadas pelo joelho. Sangue, fezes e urina por todo o lado. Vomitei. 

«Que fizeste tu?», perguntei-lhe, enojado com o cenário que estava montado. Não me ligou, não reagiu, não lhe vi sentimento algum. Ao fim de um tempo respondeu-me; «Vai-te foder».

 

(...)

 
 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:24

Hoje resolvi escrever um post sem interesse nenhum. Não que os outros tenham grande interesse (para vossa informação, e segundo as estatísticas de navegação deste blog, 83% nem sequer se dão ao trabalho de verdadeiramente começar a ler).

Mas não é isso que quero dizer. O que escrevo tem interesse para mim, ou não me daria ao trabalho de o fazer. Embora também escreva para os outros, ou também não me daria ao trabalho de o publicar.

Mas, demasiadas vezes, fico a pensar nas coisas que as pessoas realmente querem, e aquilo que as faz mover (daí a razão deste sítio), porque sempre achei que isso era uma boa ponta por onde podia pegar, e tentar resolver o novelo da vida.

Não faço a menor ideia daquilo que cada um de vós procura, quando decide clicar naquela meia dúzia de caracteres que ficam pendurados numa página qualquer. Mas que a grande maioria clica desalmadamente, clica. Na verdade, acho que nenhum de nós sabe o que quer. Procuramos ao acaso as coisas que nos agradam, sem sabermos porquê.

São 21h30 da noite e estou na varanda da minha casa, deitado numa espreguiçadeira (que é a peça de mobiliário mais confortável que tenho – custou 15€). Junto ao canto da grade vejo a janela do prédio defronte. Um casal beija-se desalmadamente. Ontem, se bem me lembro, andavam aos berros um com o outro.

Há bastantes anos atrás, tinha eu uns 20 anos, presenciei a coisa mais estranha que alguma vez vi. Talvez tenha sido esse o momento em que comecei a me perguntar o que cada um quer, e o que faz para o conseguir. Andava eu no passeio, e um mendigo estava no chão com a caixa de esmolas a seus pés. Um outro mendigo andava uns metros mais à minha frente, a pedir dinheiro às pessoas com quem se cruzava. Quando passou defronte do outro mendigo, não é que lhe pediu esmola! A cara de espanto com que o mendigo que estava no chão ficou nunca me saiu da memória.

Bom, quem chegou até estas palavras finais pode ter a certeza que faz parte da restrita elite que se dá ao trabalho de ler até ao fim.

Obrigado e boa-noite (ou bom-dia…)

P
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:56


Livros e Contos


Com o meu pai aprendi que cada palavra é preciosa. Dizia-me frequentemente, com um sorriso desafiador, Cada palavra é preciosa! A verdade tem uma direcção mas não um destino (não te esqueças). Tudo o que eu digo é mentira, vê se descobres... Nunca descobri a verdade escondida naquelas palavras preciosas.

Disponível em
iBooks, Google Play, Kobo, Kindle











Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Mais sobre mim

foto do autor