Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Prometo Que Não Me Mato Até Lá

por P. Barbosa, em 29.11.11

 

6

 

A médica disse-me que te queres matar. Não disse nada disso, a médica é maluca. Não te queres matar, então. Não. Então e aquilo que fizeste no café é o quê? Não sei… deu-me qualquer coisa, não estava a bater bem da cabeça (esfrego a testa), a médica disse-me que te apresentaste como minha mulher. Não me apresentei nada. Então? Sei lá, alguma confusão... talvez tenha dito isso para que pudesse estar ao pé de ti… sabes como é… apenas a família tem acesso… E tu não és minha família. Pois. Mas quiseste ficar estes dias todos a meu lado. Não todos. Então, foste procurar a tua família? Isso não interessa. Claro que interessa, fizemos esta viagem para os encontrar. Foste ou não foste? Fui. E então, que descobriste? Estão todos mortos. Todos? A minha mãe e os meus irmãos. De que morreram? Não perguntei e não me interessa. Mas conseguiste o que querias (Vitória encolhe os ombros)? Que te fez a tua mãe? Não digo? Porquê? Vergonha, vergonha profunda, e uma réstia de respeito pela mulher que foi minha mãe. E a mulher do café, que te fez ela? Foi cúmplice de tudo aquilo que destruiu a minha vida, e ao mesmo tempo foi mãe da minha neta. Neta, qual neta? Mónica, a rapariga que trabalha no café. Não percebo nada, explica-me. Não posso, tenho vergonha, tenho vergonha de tudo, apesar de já ter passado uma vida inteira, na verdade apetece-me morrer, como tu. Eu não quero morrer, já te disse. E para que queres saber tu da minha vida, quando nada sabes da tua? Andas a percorrer o país inteiro para fugir de ti próprio, é o que é. Achas que é isso que eu faço? Sim, foges de alguma coisa sem saber o que é. Esqueço-me das coisas. Se queres saber mais sobre mim então tens de me prometer que vamos a Lisboa descobrir o que aconteceu contigo. Prometo que não me mato até lá.

 

(Não Levo Saudade)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:17



Livros e Contos


Com o meu pai aprendi que cada palavra é preciosa. Dizia-me frequentemente, com um sorriso desafiador, Cada palavra é preciosa! A verdade tem uma direcção mas não um destino (não te esqueças). Tudo o que eu digo é mentira, vê se descobres... Nunca descobri a verdade escondida naquelas palavras preciosas.

Disponível em
iBooks, Google Play, Kobo, Kindle











Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Mais sobre mim

foto do autor