Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Sabes, gostava poder olhar-te e sentir que não estou frente a um espelho.

 

Temos a espessura de um vidro vulgar banhado a prata falsificada. Toco-te para saber se és real, e és. Olho-te para além do reflexo que és, e és nada.

Escondo-me no medo de encontrar essa sobra a cores que representas. Vejo-te repetir aquilo que já fiz; adivinho naquilo que fazes as coisas que um dia farei.

Prefiro não ver.

Temos a espessura de um vidro vulgar banhado a prata.

 

A bondade é uma artimanha da iniquidade. A bondade é o conforto do nosso desconforto, e nada mais.

 

A moeda que retiras do bolso tem o tamanho do incómodo que acertou nos teus olhos.

Olhamos a miséria ao nosso lado e incomodamo-nos. Olhamos a miséria ao fundo da rua e incomodamo-nos menos. Olhamos a miséria no horizonte e lançamos um suspiro.

Para lá do horizonte não sofre nem morre ninguém (acredita).

A bondade tem a espessura de um vidro vulgar banhado a prata falsificada.

 

A miséria é esperta.

 

A miséria sabe que jamais terá direito à comida que engorda o porco que se olha ao espelho enquanto palita os dentes.

A miséria sabe que o peso da moeda de oferta tem o tamanho do incómodo colocado em frente ao espelho banhado a prata falsificada.

A miséria quer ser miséria.

A bondade quer ser bondade.

A miséria não quer morrer, desaparecer.

A bondade não quer morrer, desaparecer.

 

Temos a espessura de um vidro vulgar banhado a prata falsificada.

 

Preferimos não ver; e não vemos.

Palitamos os dentes e gastamos o tempo olhando a imagem reflectida no espelho (vejo-te).

Não sabemos que temos a espessura de um vidro. Não sabemos que não vemos. Não Sabemos.

 

A bondade e a miséria sorriem; sorriem.

 

http://pt.scribd.com/doc/36482146/Temos-a-Espessura-de-Um-Vidro-Vulgar-Banhado-a-Prata-Falsificada

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:02



Livros e Contos


Com o meu pai aprendi que cada palavra é preciosa. Dizia-me frequentemente, com um sorriso desafiador, Cada palavra é preciosa! A verdade tem uma direcção mas não um destino (não te esqueças). Tudo o que eu digo é mentira, vê se descobres... Nunca descobri a verdade escondida naquelas palavras preciosas.

Disponível em
iBooks, Google Play, Kobo, Kindle











Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Mais sobre mim

foto do autor