Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Acabemos com os «caga-fumos»

por P. Barbosa, em 14.09.13

 

É impressionante e assustador que um dos pricipais componentes da nossa sociedade «moderna» - o automóvel - seja, na verdade, tecnologia do Séc IXX.

 

É altura de terminarmos de vês com os «caga-fumos». Estamos no século XXI, bolas!

 

O documentário abaixo é excelente.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:25

Desejos para 2013

por P. Barbosa, em 01.01.13

Que não falte coragem e vontade aos Portugueses, tudo o resto é acessório. Estamos onde estamos porque as nossas ambições foram esmagadas por especuladores sem moral, ladrões sem justiça, políticos sem responsabilidade.

 

Peguemos novamente nas nossas ambições (não custa nada) e dêmos alento à nossa vontade, à nossa iniciativa, à nossa capacidade; sejam elas grandes ou pequenas; um passo de cada vez.

 

Que não nos falte capacidade para ouvir e dialogar uns com os outros. Sem frontalidade e um mínimo de confiança mútua, seremos nada, hoje e amanhã.

 

Bom 2013

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:16

NightFall from Colin Rich on Vimeo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:46

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:16

Prevendo os próximos 5.000 dias da Web

por P. Barbosa, em 02.04.12

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:36

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:31

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:20

Será o Google premonitório?

por P. Barbosa, em 16.01.12

Não sei porquê, mas noto agora que os anúncios do Google que me são apresentados estão cheio de mensagens «Dinheiro? Dívidas? Moras?» e «Crédito Consolidado» e «Simulador de Crédito».

 

Será premonição? Estou prestes a ir à falência? Esta coisa do Google ter anúncios inteligentes está a dar-me cabo dos nervos!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:57

Subiu para cima do muro do Muro dos Bacalhoeiros e fitou a morta lá em baixo (sorriu). Disse-me, na terceira pessoa, como se falasse de alguém distante enquanto andava equilibrista em cima do muro do muro (os transeuntes olhavam-na), Vitória era jovem, demasiado jovem, dona de uma beleza ainda inacabada (riu-se), quinze anos apenas, mas os homens e as mulheres vorazes não esperam pelo tempo certo, não esperam pela cama certa, não se satisfazem com a quantidade certa, detestam tudo o que é certo, satisfazem-se apenas com os momentos singulares e proibidos; singulares por serem proibidos, proibidos por serem singulares. João e Amélia (a mãe, disse eu baixinho para mim) tinham nomes cândidos e vulgares mas almas vorazes e inacabadas; vorazes por serem inacabadas, inacabadas por serem vorazes. No meio de tudo isto, penso agora, todos eles acabaram devorados pela vida, cada um à sua maneira, todos eles inacabados.

 

Veremos.

 

O presente cimenta-se, o futuro aproxima-se, o passado desvanece. É desta forma que nos concentramos naquilo que é imediato e tomamos as decisões que se impõem; uma faca apontada ao pescoço, por exemplo. Então, o futuro chega-nos de repente, e o presente torna-se saliente.

 

O cansaço não é dos ombros, mas sim dos olhos e das pálpebras, persianas semicerradas que escondem e mostram o mundo, à vez, ora agora vez isto, ora agora vez nada, conveniência do homem, sua salvação até, o que seria de nós se não os pudéssemos fechar.

 

É uma sorte a doença que tenho. O esquecimento perpétuo de que padeço é uma absolvição poderosa. Estou certo de que também eu sou tão inacabado quanto todos os outros, tão mau quanto todos os outros, tão perdido quanto todos os outros. 

 

Veremos. 

 

O esquecimento crónico que me começa agora a assentar tem, apesar de tudo, largas vantagens. Ao esquecer-me de tudo esqueço-me também das coisas más. Estou assim, sempre, a um simples passo da felicidade. Esquecendo-me de tudo torna-se-me impossível mentir. Esquecendo-me de a quem devo lealdade ou favor resta-me a justiça.

 

Por vezes penso que o esquecimento é o futuro da humanidade. E não me digam que precisamos não esquecer para evitar repetir os mesmos erros no futuro. O homem (que não eu) já provou que é tão amnésico quanto eu.

 

Especulo que a humanidade não quer ouvir ou ver. Elaboro a hipótese de que os erros repetidos não são erros repetidos mas tragédias calculadas. Desenvolvo a teoria de que o homem dotado da faculdade da memória perdeu já a capacidade para renascer. Agora só tem medo de morrer.

 

Tiro o meu livrinho do bolso.

 

Escrevo:

 

Teoria (não, Hipótese): O Homem é a memória de si e a memória de si controla o homem. Tudo o resto é um monte que vale nada.

 

Veremos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:32

Conselho de amigo #1

por P. Barbosa, em 16.11.11

 

 

Se ficas dócil, logo ganhas um

dono

 
(tal como o gado)

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:53


Livros e Contos


Com o meu pai aprendi que cada palavra é preciosa. Dizia-me frequentemente, com um sorriso desafiador, Cada palavra é preciosa! A verdade tem uma direcção mas não um destino (não te esqueças). Tudo o que eu digo é mentira, vê se descobres... Nunca descobri a verdade escondida naquelas palavras preciosas.

Disponível em
iBooks, Google Play, Kobo, Kindle











Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Mais sobre mim

foto do autor